Chega de mau hálito!

Quarenta por cento do mundo tem mau hálito. É o que afirma a Organização Mundial da Saúde. É muita gente sofrendo uma situação social constrangedora, pois, em geral, é percebida por outros antes que o próprio portador se dê conta.


Mau hálito

A halitose é caracterizado pelo odor desagradável vindo da cavidade bucal durante a respiração ou fala.






O mau hálito pode provocar sérios problemas psicossociais sérios como:

  • insegurança ao se aproximar da pessoas

  • dificuldade em estabelecer relações amorosas

  • esfriamento do relacionamento entre o casal

  • resistência ao sorriso

  • ansiedade

  • baixo desempenho profissional.

HALITOSE MATINAL


Acontece porque durante a noite o corpo sofre uma queda dos níveis de açúcar, a redução do fluxo salivar e o aumento significativo de bactérias que excretam produtos mal cheirosos. Esse tipo de mau hálito é comum, esperado e deve desaparecer após higiene bucal e primeira refeição do dia.

Mal hálito matinal

QUESTÕES FISIOLÓGICAS


Diversas situações e comportamentos podem resultar num cheiro desagradável na boca. O jejum prolongado, a fome, falas longas e ciclo menstrual são situações naturais da vida que podem causar um certo mau hálito.

A ingestão de alimentos que tenham odor intenso também podem mudar o hálito, quer seja pelas próprias substâncias odoríferas que aderem nas mucosas, como no caso do alho, quer seja por odoríferos resultantes de sua metabolização, como no caso do álcool.


Doenças como resfriados, sinusites, faringites, laringites, diabetes descompensada, hipoglicemia, desidratação, alterações renais e hepáticas, prisão de ventre acentuada, dentre outros, também são causadores de mau hálito.


O tabagismo, o uso de soluções bucais com álcool e o próprio estresse também podem contribuir na etiologia da halitose através da acentuação na descamação das mucosas bucais.

É interessante frisar que, ao contrário do que diz a crença popular, os problemas relacionados ao estômago, raramente interferem no hálito.



Alem disso tudo, mais de 400 medicações causam a diminuição da salivação. Conhecida como xerostomia, a boca seca pode sim provocar halitose.


CONDIÇÃO BUCAL


Doenças e condições bucais como cáries, doenças gengivais, herpes, próteses mal adaptadas e tártaro dental podem causar halitose severa


Mas, sem sombra de dúvida, a causa mais comum da halitose é a higiene oral deficiente e a consequente retenção de placa bacteriana e restos de alimentos nos dentes, na língua (saburra lingual) e nas amígdalas (cáseo amigdaliano).

COMO RESOLVER A HALITOSE?

O tratamento da halitose consiste em avaliar o paciente como um todo, levando em conta aspectos emocionais, assim como realizar um questionário bastante detalhado sobre a saúde médico-odontológica.

Em seguida, é realizado um exame bucal completo, a fim de investigar as condições dos dentes, gengivas, lábios, bochechas, língua, amgídalas e higiene oral do paciente.



Na maioria esmagadora das vezes, a etiologia da halitose está no cuidado com a boca. Por isso o trabalho de promoção de saúde através da educação em saúde e motivação do paciente é tão importante e deve ser realizado mesmo se houver uma causa sistêmica, já que, de qualquer forma, traz benefício para a saúde bucal e geral por toda a vida.

COMO SEMPRE, A PREVENÇÃO É A MELHOR FORMA DE TRATAMENTO

Faça regularmente sessões de controle de placa com a Técnica de Saúde Bucal, TSB. Ouça atentamente as orientações e esclareça todas as suas dúvidas. Em casa, no dia-a-dia, mantenha frequente e caprichosa higiene bucal, utilizando adequadamente escova, creme e fio dental e raspadores de língua.


Apesar de excessivamente valorizados, os bochechos com antisséptico e sem álcool contribuem, mesmo que brevemente, para um hálito refrescante.


Quer ficar livre do mau hálito? Cansado de limpezas bucais rápidas e incompletas? Quer um sorriso claro e sem manchas de cigarro ou café? Quer dentes sem placa, tártaro ou gengivite? Somos referência em Saúde Bucal desde 1967. Clique e conheça nosso trabalho de Promoção de Saúde Personalizada.


Ingerir bastante água durante o dia também previne o mau hálito. E claro, se tiver um encontro ou reunião, evite a ingestão de alimentos com odor forte, como alho e o consumo de bebidas alcoólicas e cigarros.


A ingestão de frutas ácidas ajuda estimulando a salivação e, consequentemente, diminuindo a halitose.


Se você sofre com a pouca salivação, pode também recorrer aos umectantes orais que são oferecidos na forma de gel, spray e soluções para bochecho. A dica é experimentar e escolher o que mais gostou.


CASEUM AMIGDALIANO

As amígdalas são estruturas de defesa localizadas no fundo da boca. Algumas pessoas possuem amigdalas com criptas profundas nas quais fica retido um biofilme bacteriano semelhante à saburra bucal que, inclusive pode se calcificar. Apesar de ser um problema chato, corresponde à apenas 3% dos casos de halitose.


A recomendação nesse caso é basicamente a mesma que para resolver o mau hálito: higiene completa e bem feita, ingestão adequada de água e consumo de frutas cítricas. Nos casos mais persistentes, pode-se cogitar a remoção dos cáseos ou até mesmo a controvesa extração das amígdalas.


Não se prive de uma vida completa e feliz, procure o cirurgião-dentista, acabe com esse mal e sorria com confiança.

#Malhálito #Halitose #Antissépticobucal #Escovaçãodental #Fiodental #Insegurança #Malhálitomatinal #Raspadordelingua #Prevenção #PromoçãodeSaúde

97 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo